Deficiência e Depressão Materna com Omega-3

Deficiência e Depressão Materna com Omega-3

Influências da depressão materna para o desenvolvimento infantil (Parte 3) (Pode 2019).

Anonim

Acredita-se que a deficiência de DHA esteja associada à depressão materna. Embora suplementos de DHA possam ser usados ​​para tratar a deficiência, há relatos de que o EPA é mais eficaz no alívio de sintomas depressivos. Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Michigan e do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México completaram um relatório que estuda a eficácia da suplementação de DHA versus EPA.

Um total de 126 mulheres participaram do estudo. Todas as mulheres estavam em risco aumentado de depressão com base na Escala de Depressão Pós-parto de Edimburgo ou em um histórico médico de depressão. Um grupo aleatório de pacientes foi designado para o grupo EPA, grupo DHA ou grupo placebo. Vários testes, incluindo o Inventário de Depressão de Beck, foram usados ​​para avaliar os resultados do tratamento. O teste foi realizado antes do tratamento, entre 26 e 28 semanas de gestação, entre 34 e 36 semanas de gestação e novamente entre seis e oito semanas após o nascimento.

Conclusão: Os pesquisadores não encontraram diferença entre o tratamento com DHA e EPA. Sintomas depressivos não foram afetados em nenhum dos grupos.

Fonte: Mozurkewich EL, Clinton CM, Chilimigras JL, Hamilton SE, LB Allbaugh, Berman DR, Marcus SM, Romero VC, MC Treadwell, Keeton KL, AM Vahratian, Schrader RM, Ren J, Djuric Z. As Mães, Omega-3 e Estudo de Saúde Mental: um estudo duplo-cego, randomizado e controlado. Am J Obstet Gynecol. 2013 Apr; 208 (4): 313.e1-9. doi: 10.1016 / j.ajog.2013.01.038.

  • PubMed